Quarta-feira, 27 de Agosto de 2008

Partilha III...

 

 

 

Como já vai sendo hábito, as "Partilhas" são sempre textos que me vão chegando...ou que vou lendo...e os quais, acho serem grandes ensinamentos...

Mesmo que eu lhes faça algumas alterações, não são textos por mim escritos... Mas, é sempre algo que ao ler...me tocou...

 

O Post que vos deixo hoje, é mais um desses textos...Recebi-o ontem por email...e decidi convosco partilhá-lo... É algo que ansiamos aprender a viver...

 

Sei que, ultimamente, têm aparecido muitos textos deste género...indicadores de um "novo mundo"...

A grande diferença...é que estes ensinamentos, foram escritos no ano 360 A.C.

 

Sintam essas mesmas palavras...

 

"Revolução da Alma"
 
"Ninguém é dono da sua felicidade,
por isso não entregue sua alegria, sua paz, 
sua vida nas mãos de ninguém,
absolutamente ninguém.
 
Somos livres,
não pertencemos a ninguém,
e não podemos querer ser donos dos desejos,
da vontade ou dos sonhos de quem quer que seja.
 
A razão da sua vida é você mesmo.                     
A sua paz interior é a sua meta de vida.
 
Quando sentirem um vazio na alma,
quando acreditarem que ainda está faltando algo,
mesmo tendo tudo,
remeta seu pensamento para os seus desejos mais íntimos
e busque a divindade que existe em você.
 
Pare de colocar sua felicidade cada dia mais distante de você!
 
Não coloque objectivo longe demais de suas mãos,
abrace os que estão ao seu alcance hoje.
 
Se anda desesperado por problemas financeiros,
amorosos ou de relacionamentos familiares,
busque em seu interior a resposta para acalma-lo,
você é o reflexo do que pensa diariamente.
 
Pare de pensar mal de você mesmo
e seja seu melhor amigo sempre!
 
Sorrir significa aprovar, aceitar, facilitar.
Então, abra um sorriso para aprovar o mundo
que quer oferecer o melhor!
Com um sorriso no rosto as pessoas
terão as melhores impressões de você,
E você estará afirmando para você mesmo,
que está “pronto” para ser feliz...
 
Trabalhe, trabalhe muito a seu favor.
Pare de esperar a felicidade sem esforços.
Pare de exigir das pessoas
aquilo que nem você conquistou ainda.
Critique menos, trabalhe mais.
 
E, não se esqueça nunca de agradecer.
Agradeça tudo que está em sua vida nesse momento,
inclusive a dor.
 
Nossa compreensão do universo,
ainda é muito pequena para julgar
o que quer que seja na nossa vida.
 
A grandeza não consiste em receber honras,
mas em merecê-las."
 
Texto do filósofo grego   Aristóteles
 
 
Pensem nisto…sorriam…e sejam muito felizes…
 
Fiquem bem…
 
 
António Variações - "Sempre ausente"
 


publicado por Agora às 17:07
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 12 de Agosto de 2008

Partilha II...

 

 

 

Tenho aprendido tanto com todos aqueles com quem me tenho cruzado...

Bem hajam pela vossa paciência…

Obrigado por existirem...

 

Este Post, será mais uma partilha...

Sei que a maioria de vós, já conhece o texto original...

Mas..."um dia aprendi"...que muitas vezes, precisamos de recordar conhecimentos anteriormente adquiridos...pois a nossa mente tem por hábito, "embaciar" os nossos sentires e alterar (para se tentar justificar)...esses mesmos conhecimentos...

 

Assim sendo, não faz mal nenhum voltar a...recordar...

 

 

 

Um dia aprendi...

...que não posso exigir o amor de ninguém...posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...e ter paciência para que a vida faça o resto...

...que posso passar anos construindo uma verdade...e destrui-la em apenas alguns segundos...

...que os passos que der hoje...são os caminhos que percorrerei amanhã...
 

 
Um dia aprendi...

...que posso usar o meu charme por apenas quinze minutos...mas, depois disso, tenho mesmo de saber do que estou falando...

...que eu posso fazer algo num determinado momento...e ter que responder por isso o resto da vida...

...que por mais que corte um pão em fatias...ele continua sempre tendo...duas faces...e o mesmo acontece com tudo o que cortamos no nosso caminho...
 


Um dia aprendi...

...que vai demorar muito tempo para me transformar na pessoa que quero ser...como tal, devo ter paciência...

...que posso ir mais além dos limites que eu próprio criei...

...que eu preciso escolher entre...controlar o meu pensamento...ou ser controlado por ele...
 


Um dia aprendi...

...que os heróis são pessoas que decidem fazer o que acham correcto naquele momento...independentemente do medo que sentem...

...que perdoar exige muita prática...

...que a minha existência pode mudar para sempre em num instante...por causa de alguém que eu nunca tenha visto antes...
 


Um dia aprendi...

...que as circunstâncias da minha infância são responsáveis pelo que eu sou...mas não pelas escolhas que faço enquanto adulto...

...que eu posso ficar furioso...tenho o direito de me irritar...mas, não tenho o direito de ser cruel...

...que jamais poderei dizer a uma criança que os seus sonhos são impossíveis...e que não o devo fazer também a um adulto...
 


Um dia aprendi...

...que não me chega ser perdoado pelos outros...eu preciso de me perdoar primeiro...

...que quando duas pessoas discutem...não quer dizer que elas se odeiam...e, quando duas pessoas não discutem...não significa que elas se amam...

...que não importa o quanto o meu coração possa estar sofrendo...o mundo não para por causa disso...
 


Um dia aprendi...

...que a palavra "amor" perde o seu sentido...quando usada sem critério...

...que certas pessoas vão embora de qualquer maneira...

...que é difícil traçar uma linha entre ser gentil...não ferir as pessoas...e saber lutar pelas coisas que eu acredito...

Texto original...Charles Chaplin

 

 

Fiquem bem...

 

 

Aprendendo...Williams Shakespeare

 


publicado por Agora às 20:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 11 de Agosto de 2008

Conflitos internos...

 

 

Este Post é bem mais agressivo...

Sim, sei disso...

Mas, espelha bem os nossos conflitos internos...

Coloquei-o exatamente desta forma...por saber que a nossa vida é um perfeito reflexo das escolhas que fazemos aquando aceitamos esses mesmos...conflitos internos...

Tantas vezes achamos que o "azar" nos bateu à porta... Quantas vezes ouvimos dizer que "nasci para sofrer", "nada me corre bem", etc...

Quantas vezes pensamos que estamos a viver a vida que o Universo nos apresentou para ser vivida...

Quantas vezes nos enganamos a nós próprios...

 

A vida que vivemos é praticamente aquilo que um dia decidimos para nós...

Puros reflexos de escolhas anteriormente tomadas...por mais frio que isto vos possa parecer...

 

 

Um velho índio descreveu uma vez os seus conflitos internos:

"Dentro de mim existem dois cachorros, um deles é cruel e mau, o outro é muito bom e dócil. Eles estão sempre a brigar."

Quando então lhe perguntaram qual dos cachorros ganharia a briga, o sábio índio parou, reflectiu e respondeu:

"Aquele que eu alimentar."
 

Cabe mesmo a cada um a sua escolha...

Deixo-vos com algo para que possam ouvir e sentir o conflito interno que determina qual dos cachorros alimentar...


Fiquem bem...

 

 

 

Dexter-509-E - Conflitos


publicado por Agora às 14:26
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Domingo, 10 de Agosto de 2008

As minhas palavras...

 

 

 

 

Com este Post, tentarei dar-vos uma explicação a quase tudo do que escrevo… Tentarei com ele, fazer com que sejam minimizadas algumas interpretações… Espero que o percebam…pois sei que irão entender porque o fiz…

 

 

 

As minhas palavras…

 

Simples sentires…

Vida vivida ou comigo partilhada…transportada para um papel…para um teclado…para um gravador…da forma como as sinto…

Saem da mesma forma quando partilho algo, quando faço uma “ajuda” ou quando envio uma mensagem ou um comentário, a quem quer que seja…

 

Saem de dentro…

Saem de uma dimensão diferente…

Saem-me da alma…sem serem regidos pelo pensamento…mas por ele redigidas em linguagem perceptível…

 

Já vos ouvi dizer que tenho o “dom da palavra”…

Tenho exactamente o mesmo dom que qualquer um de vós tem…se decidirdes libertar …todos os vossos sentires…

Mas, façam-no sem medos… Principalmente sem receio, do que os outros possam ou não pensar do que escrevem…

Deverão fazê-lo sem deixar que o vosso pensamento tenha tempo de fazer uma autocrítica…

A escrita pela escrita…pela libertação do que normalmente vamos oprimindo dentro de nós…

Notarão mais tarde…que essa mesma escrita, acaba também ela…por ser uma boa terapia…

 

Claro que gosto de ouvir ou de ler que as minhas palavras “mudaram pensares”…”estimularam reencontros”…”semearam paz no seio de seres até então angustiados”…”que elas chegaram no momento certo”…etc.

Sim…gosto…

Ajuda-me também a mim a acreditar que estou no caminho certo…

Faz-me acreditar, que contêm a mensagem…mensagem essa que um dia eu gostaria ter sabido ouvir…

 

Peço-vos que não olhem para as minhas palavras como algo a seguir…

Elas simplesmente mostram os meus sentires…

Não as pensem como tentativa de apresentação de verdades absolutas… Primeiro, porque não existem verdades absolutas… Em segundo, porque as palavras, por mais bonitas que possam parecer, elas não conseguem retratar os sentires da alma…

Elas só poderão ser úteis, se por vós forem lidas com olhos de sentir…

Leiam-nas exactamente dessa forma…para que vossa alma possa delas retirar a essência do que tentei partilhar… E, cada um, de forma individual, poderá ter vários e diferentes sentires… Aceitem simplesmente, aqueles que, forem mais concordantes com o vosso Ser…

 

Não tento com elas ser diferente…ou melhor que ninguém…

Ao libertá-las de mim, sou simplesmente…eu mesmo…

Escreva bem…escreva mal…não me importa…é o que sai…

Com elas simplesmente tento partilhar aquilo que fui aprendendo…das introspecções feitas às várias formas como vivi o meu passado…

 

Estarei errado nas minhas concepções de vida… Isso é mesmo o que menos me preocupa… Com elas, reencontrei de novo a paz…

Esta minha forma de olhar a vida, da forma como a sinto, foi aquela que encontrei…para poder reiniciar, o meu reencontro…

 

Fiquem bem...

 

 

Além das palavras!

 

Texto extraído do livro "Poemas Místicos" de Jalal ud-Din Rumi - Letícia Sabatella

 


publicado por Agora às 20:54
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 9 de Agosto de 2008

Partilha I...

 

 

 Sintam simplesmente o que os vossos olhos lêm...

 

 

“Respeitei na juventude
o mundo todo e a vida,
De nada sentia falta a não ser
da paz d’ espírito,
 

E, contudo, eu mudei, apesar das minhas crenças,
nas mentiras da Iktumi*1 (aranha) acreditei cegamente.
Parecia que da verdade, era ela a detentora,
e, solene, prometeu fazer-me feliz p’ra sempre.
 

A Wakantanka (Criador do mundo) riquezas ela me fez implorar,
afirmando que poder eu viria a ter;
Foi-me oferecida a pobreza, p’rà
minha força interior achar.
 

 

Pedi fama,
para os outros me poderem conhecer;
Foi-me dado o anonimato,
p’ra saber conhecer-me.
 

Pedi alguém a quem amar p’ra
jamais ficar sozinho;
Foi-me dada a vida dum eremita, p’ra
aprender a aceitar-me como sou.
 

Pedi poder, p’ra
coisas realizar;
Foi-me dada a hesitação, p’ra
a obedecer aprender.
 

Pedi saúde, p’ra
uma vida longa viver;
Foi-me dada a doença, p’ra
cada minuto sentir e também apreciar.

Pedi à Mãe Terra coragem,
p’ra seguir o meu caminho;
Foi-me dada a fraqueza, p’rà
Sua falta poder sentir.
 

Pedi uma vida feliz, p’rà
vida poder gozar;
Foi-me dada a vida, p’ra
poder viver feliz.

De tudo o que havia pedido, nada me foi ofertado,
apesar disso, contudo, todos os meus desejos
realidade se tornaram.

Não obstante eu próprio e a malvada Iktumi,
os meus sonhos se realizaram,
Fui generosamente abençoado,
mais do que alguma vez esperei. “ 
 


Billy Mills / Nicholas Sparks - "Uma Viagem Espiritual"

*1 Iktumi (aranha) – A Iktufil é considerada traiçoeira e mentirosa. A Iktumi pode levar as pessoas a acreditarem em coisas que não são verdade. É muito perigosa por causa do seu poder. A Iktumi possui uma aptidão especial para arruinar a vida de qualquer pessoa.

 

 

Fiquem bem...

 

Jorge Palma - "Encosta-te a Mim"


publicado por Agora às 17:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 6 de Agosto de 2008

Pode ser que um dia...

 

 

 

 

 

 

 

 

Só queria partilhar convosco isto...

Algo que...faz algum tempo que transporto comigo...

Quem me conhece, percebe perfeitamente a sua partilha...

 

Fiquem bem...

 

Eros e Psique - Texto de Fernando Pessoa

 


publicado por Agora às 19:40
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

Amar... Sofrer... Aprender...

 

 

 

Este Post é dedicado a todas aquelas pessoas que, apesar de tudo, conseguiram renascer...

Para aqueles que tiveram a coragem suficiente...para renascer de novo...

Para todos aqueles que das cinzas, encontraram um novo rumo...para a vida...

 

 

Existem dias que têm mesmo de existir...
Uma palavra
Me embriaga todo o momento...
Um gesto
Me destrói quase por inteiro...

Vivo... Sofro e volto a viver...
Nesta longa e dura estrada que chamamos de vida
Só existe esta escolha:
Amar...sofrer e aprender...

Sei que sofrer não é mais parte de minha vida
Agora, só penso em aprender
Pois o que um dia foi amor
Acabou virando um grande ensinamento...

Um tolo?
Sim... Podereis chamar-me disso...
Eu, simplesmente acreditei...
Acreditei em um breve encontro...
Olhos nos olhos...
Pensei que tinha chegado a minha vez…
Eu...um louco incurável
Atingido de frente por uma flecha perdida...

Um tiro certeiro
Que transformou o que era remorso em um amor quase inconsequente...
Tive chance... Desbravei ruínas enfrentei maremotos e até tempestades...
Para finalmente encontrar de novo este nobre sentimento:
O Amor!

Ah! Como foram belos esses momentos
E nunca é demais recordar...como um filme...
Cada cena...cada flash já está gravado em minha mente...
Olhos nos olhos... Corpos ardentes
Em perfeita harmonia entre gozo e cumplicidade.

Amar.
Sentir este filme de novo em minhas veias...
Não uma reprise com outra qualquer.
E voltar de novo a desbravar ruínas, enfrentar maremotos e várias tempestades...
E…como o vivi intensamente!
E conseguir (até que enfim...) limpar de todas as impurezas esta pobre e triste alma
Que clamava por uma lavagem divina...


Medo...
De sentir novamente o gosto amargo da perda...
E sentir-me ainda mais fraco...
Sem nenhuma esperança para a minha vida...
E ter que aceitar que por mais uma vez...
A felicidade vai escapar...
Vagarosamente entre meus dedos
Como a gélida água que sai desta torneira quando olho no espelho...

Não!!! Agora dependo só de mim...
Agora sou feliz porque o vivi...
Porque tive um dia...a coragem...

E de novo estou olhos nos olhos
Agora comigo mesmo pensando:
Se é para ser assim...
deixarei esta onda me levar outra vez
Para lugar já visitado e nem um pouco indesejável...
Matando ainda mais esta fome de amar...

Não falo só da presença física do amor...
Um simples gesto e pronto...
Falo agora da cumplicidade
De não ser apenas dois corpos ardentes em delírio
Mas sim, de uma união que ultrapassa todas as barreiras da razão
E cai profundamente sem medo do que pode acontecer
No calor de uma intensa paixão...

E como e bom estar amando...
Amar aquela pessoa que tens “certeza” que é a sua esperança...
A sua chave
Para um caminho divino
Onde só existe a luminosidade da salvação
E o alimento para esta suja alma...

Oh! Pobre alma querida...
Não esperes mais…a tua oportunidade está aqui...
Bem perto
Esperando mais uma simples palavra...um gesto...

E se de novo este pequeno barco naufragar
Em tão desesperado e misterioso mar do amor
Não se desespere...
Pois este louco desbravador e amante
Continuará em busca da sua pedra mais preciosa:
O seu amor realmente verdadeiro.
Ele sabe...ele sabe...
Que um dia…num caminho perdido…
Encontrará as justificações para todas estas aprendizagens...

 

(Desconheço o autor do conceito original… Eu simplesmente o alterei e o compus da forma que leram…)

 

Fiquem bem...

 

 

 Simone - "Começar de novo"

 


publicado por Agora às 14:24
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 3 de Agosto de 2008

Quantas vezes...

 

 

 

Este Post, é dedicado a todas aquelas pessoas que magoaram ou se sentiram magoadas…

São enxertos de vários autores...que o relatam nos seus escritos...

Neles reparamos que, cada um encontrou algo nessa mágoa…

 

Libertemo-nos das armaduras...

Se o fizermos, facilmente notamos que…em cada renascer…encontraremos também, um novo sentido de vida…



“Tens razão: a tua couraça protege-te de quem quer destruir-te. Mas, se não a tirares, afastar-te-á também de quem quer amar-te.”

“Ponte Para a Eternidade” – Richard Bach


“Isso quase me destruiu.
(…)
No entanto, alguma coisa mudou no meu coração, já que a minha alma não podia estar sempre a resistir aos constantes ferimentos. Eu tinha de me proteger, e passei a dizer a mim mesmo:
“Qualquer relação mais íntima com esta mulher é impossível”.
Claro que esta estratégia não resultou, nem mesmo quando te falei o que se passava comigo. Mas, a partir daquele instante, nunca mais me feriste.
(…)
E hoje, também entendo que o nosso casamento era impossível.
(…)
Ajudaste-me a descobrir-me a mim mesmo, e ao meu trabalho. Eu penso que te fiz o mesmo, e agradeço aos Céus por estarmos juntos.”

“Cartas de Amor do Profeta” – Kahlil Gibran


“-Oh, desculpa! Espero não te ter magoado. Não vejo muito bem com esta viseira na frente.
-Não duvido. É por isso que tens de estar sempre pedir desculpa ás pessoas por magoá-las.
(…)
O conhecimento é a luz através da qual encontrarei o vosso caminho.
(…)
Haveis confundido necessidade com amor?
(…)
«Quase morri das lágrimas que não chorei», pensava. As lágrimas deslizavam pelo rosto, através da barba, até ao peito. E porque provinham do seu coração, eram extraordinariamente quentes e depressa derreteram o que restava da armadura.
O cavaleiro chorou de alegria. Não voltaria a colocar a armadura e a cavalgar numa direcção qualquer. As pessoas não voltariam a ver o reflexo cintilante do aço, pensando estarem a ver o raiar do Sol a norte ou o acaso a oriente.
Sorriu através das lágrimas, sem se dar conta de que uma luz nova, e radiante, emanava agora do seu ser e uma luz muito mais brilhante e mais bela do que a sua armadura polida, uma vez resplandecente, como um ribeiro, cintilante como a Lua, ofuscante como o Sol.
Pois, em verdade, o cavaleiro era o ribeiro. Ele era a Lua. Ele era o Sol. Podia agora ser todas as coisas ao mesmo tempo, e mais ainda, porque estava em uníssono com o universo.
Ele era amor.”

“O Cavaleiro da Armadura Enferrujada” – Robert Fisher


Fiquem bem…

 

 

Maria Bethânea - “Atiraste Uma Pedra”


publicado por Agora às 18:50
link do post | comentar | favorito

.Mais...


. Perfil...

. Adicionar...

. 7 seguidores

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
21
22

23
29

30


.Momentos mensais...

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

.Momentos...

. Doenças degenerativas - O...

. Doenças degenerativas - O...

. Doenças degenerativas - O...

. Doenças degenerativas - O...

. Doenças degenerativas - O...

. Trocas Energéticas...(VI)

. Trocas Energéticas...(V)

. Trocas Energéticas...(IV)

. Trocas Energéticas...(III...

. Trocas Energéticas...(II)

. Trocas Energéticas...(I)

. Reencontro...

. Quarta etapa...(IV)

. Quarta etapa...(III)

. Quarta etapa...(II)

. Quarta etapa...(I)

. Terceira etapa...(VI)

. Terceira etapa...(V)

. Terceira etapa...(IV)

. Terceira etapa...(III)

. Terceira etapa...(II)

. Terceira etapa...(I)

. Segunda etapa...

. Primeira etapa...

. Preparação da caminhada.....

. Preparação da caminhada.....

. Preparação da caminhada.....

. Preparação da caminhada.....

. Propósito desta caminhada...

. Propósito desta caminhada...

. Propósito desta caminhada...

. Caminhada em busca de mim...

. Caminhada em busca de mim...

. Caminhada em busca de mim...

. Respostas - Livre Escolha...

. Respostas - Livre Escolha...

. Respostas - Livre Escolha...

. Respostas - Livre Escolha...

. Perguntas - Livre escolha...

. Análise – Resumo…(V)

. Análise – Resumo…(IV)

. Análise – Resumo…(III)

. Análise – Resumo…(II)

. Análise – Resumo…(I)

. Análise – Mudança…(V)

. Análise – Mudança…(IV)

. Análise – Mudança…(III)

. Análise – Mudança…(II)

. Análise – Mudança…(I)

. Análise – Indecisões…(II)